Notícias

Barretos (SP) sedia palestra sobre boas práticas de identificação animal

A identificação eletrônica pode ser um grande aliado ao produtor em sistemas de confinamento. No entanto, é importante estar atento às “Boas práticas de identificação animal” e garantir que a aplicação seja realizada de forma segura e tranquila, para que os animais não passem por sofrimento desnecessário, o que pode prejudicar o desempenho, causar danos à carcaça e prejuízos na qualidade da carne. Este assunto será tema de palestra na Escola de Pecuária da ASSOCON, em Barretos (SP), no dia 31 de julho, ministrado pelo gerente de grandes contas da Allflex, Welton Domingues Oliveira.

“Um dos fatores que garante a retenção dos identificadores é o procedimento de aplicação. É fundamental que as pessoas responsáveis por este manejo conheçam bem o seu trabalho e os animais que conduzem, de modo a minimizar o estresse e suas consequências”, aponta Oliveira.

Ao aliar as boas práticas de manejo, o especialista afirma que esse tipo de ferramenta de gestão pode melhorar os índices de produtividade, reduzir o número de contusões nas carcaças e diminuir o estresse do rebanho com manejos desnecessários.

“O sistema de identificação eletrônica oferece ao pecuarista uma gestão mais eficiente do rebanho e otimiza o tempo de trabalho. São sistemas que utilizam sinais de rádio frequência (RFID). Com isso, diminuímos também o contato com os animais, o risco de acidentes e reduzimos também o número de contusões nas carcaças”, explica.

Além de facilitar o manejo, o sistema eletrônico de identificação oferece eficácia nas coletas de dados, de forma simplificada. “As informações são captadas e transmitidas de forma rápida, automatizada, com segurança e não há erros”, salienta.

Os identificadores eletrônicos, também são conhecidos como “chip do boi”, são especialmente indicados aos criatórios comerciais, pois além da facilidade de leitura, feita por RFID, é de fácil recuperação após o abate.

A Allflex oferece uma ampla gama de produtos para identificação visual e eletrônica dos rebanhos que ajudam na gestão da atividade, bem como colares de monitoramento que captam sinais de atividades, como ruminação e ofegação da vaca, enviando-os a um software para tornar o processo reprodutivo mais assertivo. 


Genética e monitoramento do rebanho são aliados para o aumento de produtividade na pecuária leiteira

HRLDn_1A atividade leiteira no Brasil enfrenta grandes desafios em gestão e manejo do rebanho, que acaba refletindo em índices de produtividade precários. Prova disso é que a produção média brasileira é de 4,5 litros por vaca/dia, enquanto os vizinhos Argentina e Uruguai estão na casa dos 12 litros.

Com margens cada vez mais apertadas e cerca de R$ 1,25 pago ao produtor em média no país, de acordo com dados do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), uma das saídas para melhorar a rentabilidade da atividade é aprimorar a gestão da propriedade com investimento em genética e tecnologia.

Por isso, a Allflex, líder mundial em identificação e monitoramento de animais, em parceria com a Semex, empresa de genética bovina, oferece aos pecuaristas de leite brasileiros a tecnologia do programa AI24, um software que monitora em tempo real a saúde e a reprodução das vacas e novilhas.

Como funciona?

O sistema de monitoramento consiste num colar colocado no pescoço do animal que capta os sinais de atividade, ruminação e ofegação da vaca, enviando os dados automaticamente a um software de gestão.

Segundo a gerente técnica e comercial de monitoramento da Allflex, Brenda Barcelos, o sistema possibilita correlacionar o aumento da atividade e diminuição da ruminação com o cio, indicando o melhor horário para inseminação, alertas de possíveis problemas de saúde ou, por meio da ofegação, pode indicar a porcentagem do lote que está em estresse calórico, acompanhando cada animal de forma individual para melhor eficiência da fazenda.

“Por meio do colar, podemos fazer a captação de atividade, com notas de cio e o melhor horário para inseminar o animal, que é uma informação primordial para a reprodução”, explica Brenda. “Além disso, temos a vantagem do sistema alertar sobre desconforto em gestações acima de 260 dias e tempo prolongado sem ruminação”, exemplifica Brenda.

O Gerente de Marketing do Grupo Semex, Eduardo Fey, destaca que entre as principais vantagens dessa tecnologia está a facilidade do uso do programa. “Com um treinamento simples, o produtor consegue se antecipar aos problemas de origem metabólica e de saúde, por exemplo, pois ele é avisado com antecedência se seu animal padece de alguma situação de doença, podendo assim interferir em um tratamento muito antes dos sintomas clínicos realmente aparecerem no animal”, aponta.

O sistema também controla e monitora dados em nível de rebanho. Em seguida processa essas informações, apresentando-as em relatórios e alertas em tempo real, totalmente personalizáveis e fáceis de entender. O software fornece aos administradores de rebanhos e ordenhadores ferramentas projetadas para ajudá-los a gerenciar suas tarefas diárias e melhorar a lucratividade.

Parceria sólida

O diferencial é que os clientes participantes do programa podem utilizar a tecnologia do monitoramento Allflex em seu rebanho por meio de locação oferecido pela Semex. “A Semex proporciona ao produtor, por meio de locação, a oportunidade de testar primeiramente a tecnologia do monitoramento. Após o término do contrato, o produto passa a ser do pecuarista”, salienta a gerente técnica e comercial de monitoramento da Allflex, Brenda Barcelos.

Além disso, a Allflex oferece aos colaboradores da Semex treinamentos periódicos sobre os sistemas de monitoramento. Com isso, além de conhecer de forma detalhada todas as funcionalidades do sistema, levam informações precisas ao produtor.

“A parceria é de extrema importância ao pecuarista, pois são duas empresas que trabalham oferecendo e disponibilizando soluções às propriedades e no final, quem ganha é o produtor de leite brasileiro. O AI24 vem se firmando nos mercados mais desenvolvidos do mundo como uma importante ferramenta para melhorar resultados dos clientes. No Brasil, os depoimentos dos produtores que já adotaram o programa reforçam esta inovadora possibilidade de instalação do AI24 na forma de locação, uma exclusividade da Semex, altamente flexível e sob medida para qualquer porte de propriedade”, salienta Fey.


Identificação animal facilita o manejo diário do rebanho leiteiro

Com um mercado cada vez mais exigente, os elos da cadeia alimentícia passaram a se preocupar em garantir produtos seguros e de qualidade. Por isso, o rastreamento com informações que trazem a origem e o histórico dos animais leiteiros, por exemplo, se tornou foco de atenção para a Associação Brasileira dos Criadores de Girolando, que utiliza sistemas de identificação e monitoramento em parceria com a Allflex, líder mundial em identificação de animais.

Todo animal registrado pela Girolando, inclusive os participantes da Megaleite, evento que será realizada entre os dias 20 e 23 de junho, em Belo Horizonte (MG), possuem um brinco de identificação com o número de registro, que atende as especificações do Serviço de Registro Genealógico, custeado pela Associação.

“Essa iniciativa tem como objetivo conscientizar os produtores e incentivá-los a investir na tecnologia. Procuramos mostrar para os criadores os benefícios de utilizar os brincos como uma forma de identificação dos animais, principalmente pela agilidade e segurança na identificação que a utilização do brinco proporciona. Outra vantagem é a praticidade na aplicação, quando comparado com outros métodos de identificação”, explica o superintendente técnico da Associação Brasileira dos Criadores de Girolando, Leandro Paiva.

No caso do Brasil, medidas de identificação individual (rastreabilidade) vêm sendo implantadas de forma gradativa, sendo atualmente exigida para bovinos destinados à exportação para o mercado Europeu. No entanto, a Girolando se antecipa à obrigatoriedade, pois, segundo o superintendente, a identificação animal é um grande facilitador no manejo diário do rebanho. Além de trazer maior segurança quanto à correta identificação dos animais, Paiva acredita que é uma importante ferramenta utilizada para o monitoramento do rebanho.

“Quando se tem agilidade na identificação dos animais, se ganha tempo na tomada de decisões e isso tem impacto direto no desempenho do rebanho e, consequentemente, auxilia na obtenção de um maior retorno econômico”, aponta.

Um dos fatores que resultou na escolha da Allflex como empresa parceira da Girolando é o fato de ser referência mundial em identificação e monitoramento animal. “Seus produtos possuem o que há de melhor em tecnologia. Utilizamos os produtos Allflex há anos em nosso serviço de registro genealógico”, afirma.

A identificação eletrônica de bovinos faz uso de softwares para o acompanhamento eficiente das características genéticas e para a obtenção de um melhor controle sanitário, reprodutivo e nutricional dos animais. Esse tipo de identificação envolve o uso de brincos eletrônicos que, quando acionados, emitem um sinal eletromagnético com a numeração do animal, que é recebida por um sistema de computação que identifica, sem erros, a presença do animal naquele rebanho.

Segundo o gerente comercial da Allflex, Ivo Martins, diariamente a pecuária é desafiada a adotar mais tecnologias para trabalhar de forma mais eficiente. “Temos a oportunidade de oferecer aos produtores tecnologias de última geração que podem impactar diretamente na forma de fazer a gestão do seu negócio, uma vez que os sistemas de monitoramento podem ajudar o produtor a identificar problemas e tratar animais da forma e no tempo corretos, melhorando índices reprodutivos, de sanidade e, consequentemente, os resultados financeiros da propriedade”, destaca Martins.

A Allflex estará na Megaleite 2018, que será entre os dias 20 a 23 de junho, no Parque da Gameleira, na capital mineira. O evento é sede da 29ª Exposição Nacional da Raça Girolando e o 29º Torneio Leiteiro Nacional de Girolando. Haverá ainda exposições das raças Gir Leiteiro, Holandês, Pardo-Suíço, Jersey e Guzerá. A expectativa é que comitivas de diversos países passem pela feira, que terá em sua programação cursos, leilões, palestras, dentre outros eventos.

Além dos sistemas de identificação, a Allflex destaca na Megaleite os sistemas de monitoramento, que consistem em colares colocados no pescoço do animal e que captam sinais de atividade, ruminação e ofegação da vaca, enviando os dados automaticamente a um software de gestão.

“Por meio do colar, podemos correlacionar o aumento da atividade e queda da ruminação com o cio, apresentando o melhor horário para inseminação, queda da ruminação e atividade para a correlação com possíveis problemas de saúde e a ofegação indicando a porcentagem do lote que está em estresse calórico, acompanhando cada animal de forma individual para melhor eficiência da fazenda, otimizando as atividades dos funcionários”, exemplifica o gerente de monitoramento para Brasil e Latam da Allflex, Luciano Lobo.

O sistema de monitoramento da Allflex também controla e monitora a sala de ordenha, por meio de automação, coletando automaticamente dados abrangentes sobre o status de cada vaca do rebanho. Em seguida processa essas informações, apresentando-as em relatórios e alertas em tempo real, totalmente personalizáveis e fáceis de entender. O software fornece aos administradores de rebanhos e ordenhadores ferramentas projetadas para ajudá-los a administrar suas tarefas diárias e melhora a lucratividade.


Allflex leva os benefícios da identificação animal como ferramenta de gestão para a InterCorte, em Marabá (PA)

A Allflex leva à InterCorte, em Marabá (PA), os benefícios da identificação do rebanho como ferramenta de gestão que, se utilizado de forma individual em cada animal, pode contribuir e ser um aliado dos pecuaristas a melhorar os índices de produção. Para o evento, a líder mundial em identificação de animais destaca a sua linha de identificadores eletrônicos, que utilizam alta tecnologia para proporcionar maior comodidade e melhores resultados aos criadores. O evento será nos dias 22 e 23 de maio, no Carajás Centro de Convenções.

“O pecuarista precisa se conscientizar de que é preciso trabalhar em cima de dados e que a identificação animal é a base para uma gestão eficiente do rebanho. Pois, numa atividade com margens cada vez mais apertadas, somente assim, ele poderá atender as demandas de um mercado cada vez mais exigente por qualidade”, destaca Ivo Martins, gerente comercial da Allflex. 

Para bovinos, a Allflex produz os identificadores eletrônicos, também conhecidos como “chip do boi”. Compostos por duas partes conhecidas como macho e fêmea, eles permitem um encaixe perfeito, perfurando a orelha do animal.  Esse tipo de identificador é especialmente indicado aos criatórios comerciais, pois traz facilidade de leitura, feita por RFID, e de fácil recuperação após o abate.

Martins destaca que entre as vantagens do uso do botton eletrônico como método de identificação está a automatização da coleta de dados. “Não há erro na coleta e na transmissão de dados. Além disso, há maior redução no tempo de trabalho e de acidentes, menor contato do colaborador com o animal, o que diminui o estresse. O sistema também auxilia para a redução das contusões nas carcaças dos animais nas diferentes fases de manejo”, ressalta.

Segundo o gerente comercial, atualmente é cada vez mais comum o uso da tecnologia no campo e são diversos equipamentos e sistemas que ajudam o pecuarista na gestão e desenvolvimento do trabalho no seu dia a dia. “Toda essa tecnologia vem para facilitar os serviços, dar mais agilidade no manejo e maior segurança na gestão das informações”, salienta.

A Allflex oferece uma ampla gama de produtos para identificação visual e eletrônica dos rebanhos que ajudam na gestão da atividade, bem como colares de monitoramento que captam sinais de atividades, como ruminação e ofegação da vaca, enviando-os a um software para tornar o processo reprodutivo mais assertivo. 


Pecuaristas podem aproveitar o período de vacinação para identificar os animais

Termina no dia 31 de maio o prazo para que os produtores do Brasil imunizem seu rebanho contra a Febre Aftosa. Uma das possibilidades que os pecuaristas têm de otimizar o trabalho e tempo da equipe é aproveitar a oportunidade para fazer a identificação dos animais e o controle do número de cabeças do rebanho, fazendo um inventário.

A dica é do zootecnista Ivo Martins, que também é gerente comercial da Allflex, líder mundial em identificação de animais. “Por ser considerado um manejo aversivo por muitos produtores e que exige planejamento prévio, levar os animais até o curral uma única vez pode ser muito mais proveitoso quando se pode imunizar e já fazer a identificação do rebanho”, explica Martins.

Segundo ele, investir em monitoramento individual dos animais pode melhorar a eficiência da atividade pecuária, pois permite ao produtor fazer um controle maior e ter a rastreabilidade do rebanho, com informações completas que ajudam na tomada de decisões mais assertivas para o negócio. “Com isso, é possível fazer o inventário e um completo controle zootécnico de cada animal, podendo ser acompanhado por meio de softwares que podem ser instalados no computador ou até mesmo no celular”, afirma.

Entre os benefícios da identificação do rebanho como ferramenta de gestão, o zootecnista elenca a automatização da coleta de dados. “Com o uso do botton eletrônico não há erro na coleta e na transmissão de dados. Além disso, há maior redução no tempo de trabalho e de acidentes, menor contato do colaborador com o animal, o que diminui o estresse. O sistema também auxilia a redução das contusões nas carcaças dos animais nas diferentes fases de manejo, pois não é necessário deslocar o rebanho várias vezes ao curral”, ressalta.

Para bovinos, a Allflex produz os identificadores eletrônicos conhecidos como “chip do boi”. Esse tipo de identificador é especialmente indicado aos criatórios comerciais, pois traz facilidade de leitura, feita por RFID, e de fácil recuperação após o abate.

“Toda essa tecnologia vem para facilitar os serviços, dar mais agilidade no manejo e maior segurança na gestão das informações”, salienta.

A Allflex oferece uma ampla gama de produtos para identificação visual e eletrônica dos rebanhos que ajudam na gestão da atividade, bem como colares de monitoramento que captam sinais de atividades, como ruminação e ofegação da vaca, enviando-os a um software para tornar o processo reprodutivo mais assertivo.  


Identificação eletrônica do rebanho é um aliado em sistemas de confinamento

A identificação eletrônica pode ser um grande aliado ao produtor em sistemas de confinamento. Isso porque esse tipo de ferramenta de gestão pode melhorar os índices de produtividade, reduzir o número de contusões nas carcaças e diminuir o estresse do rebanho com manejos desnecessários.
Segundo o coordenador técnico comercial da Allflex, Henrique Soares, o sistema de identificação eletrônica oferece ao pecuarista uma gestão mais eficiente do seu rebanho e otimiza o tempo de trabalho. “São sistemas que utilizam sinais de rádio frequência (RFID). Com isso, diminuímos também o contato com os animais, o risco de acidentes e reduzindo também o número de contusões nas carcaças”, explica Soares.
Além de facilitar o manejo, o sistema eletrônico de identificação oferece eficácia nas coletas de dados, de forma simplificada. “As informações são captadas e transmitidas de forma rápida, automatizada, com segurança e não há erros”, salienta.
Os identificadores eletrônicos, também são conhecidos como “chip do boi”, são especialmente indicados aos criatórios comerciais, pois além da facilidade de leitura, feita por RFID, é de fácil recuperação após o abate.
A Allflex oferece uma ampla gama de produtos para identificação visual e eletrônica dos rebanhos que ajudam na gestão da atividade, bem como colares de monitoramento que captam sinais de atividades, como ruminação e ofegação da vaca, enviando-os a um software para tornar o processo reprodutivo mais assertivo.


Allflex leva os benefícios da identificação animal como ferramenta de gestão para a InterCorte Cuiabá (MT)

A Allflex leva à InterCorte, em Cuiabá (MT), os benefícios da identificação do rebanho como ferramenta de gestão que, se utilizado de forma individual em cada animal, pode contribuir e ser um aliado dos pecuaristas a melhorar os índices de produção. Para o evento, a líder mundial em identificação de animais destaca a sua linha de identificadores eletrônicos, que utilizam alta tecnologia para proporcionar maior comodidade e melhores resultados aos criadores.

“O pecuarista precisa se conscientizar de que é preciso trabalhar em cima de dados e que a identificação animal é a base para uma gestão eficiente do rebanho. Pois, numa atividade com margens cada vez mais apertadas, somente assim, ele poderá atender as demandas de um mercado cada vez mais exigente por qualidade”, destaca Ivo Martins, gerente comercial da Allflex. 

Para bovinos, a Allflex produz os identificadores eletrônicos, também conhecidos como “chip do boi”. Compostos por duas partes conhecidas como macho e fêmea, eles permitem um encaixe perfeito, perfurando a orelha do animal.  Esse tipo de identificador é especialmente indicado aos criatórios comerciais, pois traz facilidade de leitura, feita por RFID, e de fácil recuperação após o abate.

Martins destaca que entre as vantagens do uso do botton eletrônico como método de identificação está a automatização da coleta de dados. “Não há erro na coleta e na transmissão de dados. Além disso, há maior redução no tempo de trabalho e de acidentes, menor contato do colaborador com o animal, o que diminui o estresse. O sistema também auxilia para a redução das contusões nas carcaças dos animais nas diferentes fases de manejo”, ressalta.

Segundo o gerente comercial, atualmente é cada vez mais comum o uso da tecnologia no campo e são diversos equipamentos e sistemas que ajudam o pecuarista na gestão e desenvolvimento do trabalho no seu dia a dia. “Toda essa tecnologia vem para facilitar os serviços, dar mais agilidade no manejo e maior segurança na gestão das informações”, salienta.

A Allflex oferece uma ampla gama de produtos para identificação visual e eletrônica dos rebanhos que ajudam na gestão da atividade, bem como colares de monitoramento que captam sinais de atividades, como ruminação e ofegação da vaca, enviando-os a um software para tornar o processo reprodutivo mais assertivo. 


Equipe Allflex participa do ‘Novos Enfoques’, em Uberlândia (MG)

A equipe da Allflex, líder mundial em identificação e monitoramento de animais, esteve presente no XXII Curso “Novos Enfoques na Produção e Reprodução de Bovinos”, realizado no final de março em Uberlândia (MG), pelo CONAPEC Jr., da Unesp, de Botucatu, sob coordenação do Prof. José Luiz Moraes Vasconcelos (Zequinha).

Com uma programação altamente técnica em pecuária de corte e leite e a participação de professores de importantes universidades americanas e canadenses, além de consultores internacionais, o evento reuniu um seleto público de profissionais focados em reprodução de bovinos.

“Para a Allflex, que pauta sua atuação em oferecer soluções tecnológicas em identificação animal e monitoramento, o evento ‘Novos Enfoques’ é bastante estratégico, pois nos coloca em contato com um público que preza pela tecnologia e por resultados na pecuária”, destaca o gerente comercial da Allflex, Ivo Martins.

“O evento reúne a principal rede de técnicos de corte e leite no Brasil em busca de atualizações bastante profundas na área de produção e reprodução. Tudo isso vem muito de encontro ao negócio da Allflex em monitoramento dos animais, uma vez que estamos embasados em conceitos de pecuária de precisão e otimização de recursos para melhorar os índices da atividade”, completa o gerente para Brasil e Latam da SCR by Allflex, Luciano Lobo.

A Allflex oferece uma ampla gama de produtos para identificação visual e eletrônica dos rebanhos que ajudam na gestão da atividade, bem como colares de monitoramento que captam sinais de atividades, como ruminação e ofegação da vaca, enviando-os a um software para tornar o processo reprodutivo mais assertivo.


Monitoramento do rebanho pode aumentar o lucro na pecuária leiteira

Investir em monitoramento do rebanho pode aumentar o lucro do produtor de leite. Isso porque o controle da ruminação das vacas, associado a diversos itens recorrentes no dia a dia da fazenda, impactam diretamente na quantidade e na qualidade do leite produzido. Este foi um dos temas apresentados no evento promovido pela Cooperativa de Laticínios do Médio Vale do Paraíba (Comevap), em Taubaté (SP), no dia 15 de março e que reuniu 80 participantes, entre produtores cooperados e funcionários da cooperativa.

De acordo com Brenda Barcelos, gerente técnica e comercial da SCR by Allflex, a queda na ruminação aliada à queda de atividade do animal podem indicar problemas de saúde, o que traz um impacto direto na produção de leite.“O monitoramente visa o melhor controle do rebanho porque consegue identificar problemas de saúde das vacas por meio da combinação da queda de ruminação e atividade, além de impactar diretamente nos índices zootécnicos e na gestão da fazenda”, explica.

A tecnologia funciona por meio de um colar, colocado no pescoço do animal. O sistema capta os sinais de atividade, ruminação e ofegação da vaca e envia automaticamente a um software de gestão. “Por meio do colar, podemos correlacionar o aumento da atividade e queda da ruminação com o cio, apresentando o melhor horário para inseminação, queda da ruminação e atividade para a correlação com possíveis problemas de saúde e a ofegação indicando a porcentagem do lote que está em estresse calórico, acompanhando cada animal de forma individual para melhor eficiência da fazenda, otimizando as atividades dos funcionários”, exemplifica Brenda. 

O sistema da SCR by Allflex também controla e monitora a sala de ordenha, por meio de automação, coletando automaticamente dados abrangentes sobre o status de cada vaca do rebanho. Em seguida processa essas informações, apresentando-as em relatórios e alertas em tempo real, totalmente personalizáveis e fáceis de entender. O software fornece aos administradores de rebanhos e ordenhadores ferramentas projetadas para ajudá-los a administrar suas tarefas diárias e melhora a lucratividade. 

“Levamos aos produtores informações sobre tecnologia que podem auxiliá-lo no dia a dia e como ele pode aumentar o lucro da fazenda. Tudo isso associado ao bem-estar animal que resultará num leite de qualidade”, finaliza.


Grupo Allflex investe no monitoramento de pecuária leiteira e contrata novo gerente para Brasil e Latam

A Allflex, líder mundial em identificação e monitoramento de animais, anuncia a contratação do médico veterinário Luciano Lobo para conduzir o desenvolvimento dos negócios de monitoramento de pecuária no Brasil e Latam.

Profissional com 18 anos de experiência no mercado de saúde animal, Luciano ocupou diferentes posições em empresas veterinárias nas áreas técnicas, de vendas, atendimento a clientes e marketing, tendo contato com produtores no campo até desempenhado atividades corporativas. Ele terá o desafio de desenvolver os sistemas de gestão da SCR by Allflex nos mercados do Brasil e América Latina.

Os sistemas da israelense SCR, empresa que foi adquirida pelo Grupo Allflex em 2014, consistem em tecnologias que funcionam por meio de um colar colocado no pescoço do animal, que capta os sinais de atividade, ruminação e ofegação da vaca, enviados automaticamente a um software de gestão. Os dados podem identificar aspectos como cio, melhor horário para inseminação, possíveis problemas de saúde e estado de estresse calórico, entre outros. A gestão individual dos animais permite a tomada de decisão rápida e precisa, como por exemplo: detecção de cio, encurtar o intervalo entre partos, tratamento de saúde e emissão de alerta em caso de partos difíceis. Em 2017, a Allflex contabilizou 19 milhões de vacas atendidas com as tecnologias SCR no mundo.

“Diariamente a pecuária vem sendo desafiada a adotar mais tecnologias para trabalhar de forma mais eficiente. Temos a oportunidade de oferecer aos produtores tecnologias de última geração que podem impactar diretamente na forma de fazer a gestão do seu negócio, uma vez que os sistemas de monitoramento podem ajudar o produtor a identificar problemas e tratar animais da forma e no tempo corretos, melhorando índices reprodutivos, de sanidade e, consequentemente, os resultados financeiros da propriedade”, destaca o novo gerente para Brasil e Latam da SCR by Allflex, Luciano Lobo.

“Esse setor me atrai muito porque, olhando para o futuro, vejo na área de monitoramento uma forma inteligente de assegurar saúde e bem-estar animal, além de uma melhor qualidade de vida e bom desempenho na atividade para o produtor”, ressalta.

“Estamos muito otimistas com esse reforço do nosso time, pois Luciano traz toda a sua bagagem e amplo conhecimento de diversas áreas do mercado veterinário brasileiro para desenvolver no Brasil e inicialmente em países como Argentina, Chile, Panamá e Colômbia as soluções em cow e milking intelligence, as quais, aliadas às soluções em identificação animal, consolidam o Grupo como o principal fornecedor de inteligência animal no mundo”, assinala o Diretor Geral da Allflex no Brasil e Latam, Julio Ribeiro.

Antelliq: novo nome da holding
Recentemente, Allflex Group, a marca principal das empresas de identificação e monitoramento de animais Allflex, SCR, Biomark e Sure Petcare, mudou seu nome para Antelliq, fortalecendo sua posição como o principal grupo mundial de inteligência animal.

O anúncio da Antelliq como a nova marca-mãe é uma declaração da ambição do Grupo: ser o líder mundial de inteligência animal, dedicado a conectar animais e pessoas para um futuro mais inteligente.

A holding evoluiu de uma empresa de identificação de gado para uma empresa de inteligência animal, criando dispositivos para identificação e rastreabilidade de animais, soluções pioneiras de monitoramento e entrega de produtos e serviços de dados inteligentes.

O Grupo atua nessa indústria há mais de 60 anos e atualmente emprega mais de 1.900 pessoas em todo o mundo, atendendo clientes em mais de 100 países. Opera 24 plantas de produção em 21 países, abrangendo os cinco continentes. Mais informações podem ser consultadas em www.antelliq.com