Notícias

Allflex conquista troféu Touro de Ouro na categoria brincos

A Allflex, líder mundial em identificação de animais, foi homenageada na quinta-feira, dia 22, com o troféu Touro de Ouro da Revista AG. A empresa foi premiada na categoria Brincos, numa cerimônia realizada na InterCorte São Paulo, no WTC Golden Hall, em São Paulo.

“Ficamos muito felizes pelo reconhecimento que a Allflex tem como referência em identificação animal e isso nos proporciona a certeza de que estamos contribuindo para uma produção animal alinhada com as expectativas dos mercados muito exigentes, demandando cada vez mais profissionalismo, eficiência e responsabilidade”, aponta o gerente comercial da Allflex Identificação, Ivo Martins Alves Filho.

“Trabalhamos sempre com o objetivo de superar a expectativa dos nossos clientes e parceiros, pautando nossas prioridades em qualidade, atendimento e inovação”, completa.

Segundo Martins, a Allflex proporciona a base para a mudança da pecuária brasileira, que precisa se atualizar cada vez mais, atender os anseios dos consumidores sobre a rastreabilidade, segurança alimentar, bem-estar animal e ser economicamente atraente ao pecuarista. “Entendemos que a individualização do rebanho é o primeiro passo para uma gestão pecuária profissional, com possibilidade de tomadas de decisões mais assertivas e agregando garantias adicionais a todo o setor de produção de carne”, aponta.

A Allflex é líder mundial em identificação e monitoramento animal, com tradição de mais de 65 anos e sempre se atualizando, aperfeiçoando seus produtos para proporcionar uma gestão pecuária profissional e lucrativa.

A premiação é concedida todos os anos pela Revista AG e homenageia as melhores empresas agropecuárias do Brasil. A seleção e escolha das empresas ganhadoras ocorre por meio de uma votação on-line com os leitores, que escolhem as marcas mais lembradas de acordo com cada categoria, que envolve todas as fases da produção pecuária.


Antelliq tem novo presidente para a América Latina

A Antelliq, líder mundial em design, desenvolvimento, fabricação e entrega de soluções de identificação e monitoramento de animais, da qual faz arte a Allflex Livestock Intelligence, tem um novo presidente para a América Latina. O cargo será ocupado pelo executivo Alexandre Alves, que possui mais de 25 anos de experiência no agronegócio em pecuária, suinocultura, avicultura e aquicultura, tendo passado por empresas como Kemin, Merial, MSD Saúde Animal e Intervet/Schering-Plough, liderando equipes nas áreas de Vendas, Marketing e Desenvolvimento de Novos Produtos.

Graduado em Medicina Veterinária pela Universidade Federal de Uberlândia, Alexandre possui MBA em Gestão Empresarial pela FGV e Empreendedorismo pelo Babson College, nos EUA, e tem vasta experiência na América Latina e Oceania.

“Tenho a tarefa de dar continuidade ao exitoso trabalho desenvolvido até o momento. Nossa missão, como empresa, é conectar os animais e as pessoas para um futuro mais inteligente. A América Latina representa uma grande oportunidade e, ao mesmo tempo, um grande desafio, quer seja pela importância na produção de proteína animal como por sua diversidade política, cultural e econômica”, salienta o novo presidente da Antelliq LATAM.

Os dois pilares de atuação da Antelliq por meio da Allflex na América Latina são a identificação e o monitoramento animal, os quais possuem grande potencial, segundo Alexandre. “O mercado de identificação na América Latina apresenta realidades distintas, dependendo do país abordado e da regulamentação vigente. A identificação traz inúmeros benefícios ao produtor e ao consumidor, tais como o gerenciamento da vida produtiva dos animais, a rastreabilidade dos rebanhos desde o seu nascimento até o abate, a possibilidade de acompanhamento individual do status de saúde e medidas profiláticas adotadas durante a sua vida, bem como a movimentação do animal em caso de venda ou transferência de propriedade. Para as autoridades, representa uma valiosa ferramenta de gestão epidemiológica com informações, como localização do rebanho, quantificação, movimentação e adoção de políticas que assegurem o status sanitário. Enfim, a identificação associada a outras medidas de gerenciamento proporciona a todos os elos da cadeia produtiva a gestão eficaz do rebanho, tornando-se uma ferramenta imprescindível a todos os envolvidos. Este mercado cresce e adota novas tecnologias que facilitam a vida do produtor e de toda a cadeia”, avalia Alves.

Já para a área de monitoramento, atividade mais recente na Allflex, as perspectivas são muito promissoras. “As novas ferramentas de monitoramento disponibilizadas pela Allflex são impressionantes, pois permitem ao produtor acompanhar em tempo real a produtividade do rebanho, conforto, aspectos reprodutivos e o mais importante: adotar medidas gerenciais baseadas nos indicadores que o sistema fornece, antecipando e assegurando uma melhor produtividade e o bem-estar dos animais. No segmento de animais de companhia, novas ferramentas estarão disponíveis em um futuro próximo, possibilitando aos usuários o monitoramento das atividades diárias de seus pets, melhorando consequentemente a qualidade de vida dos mesmos. Não tenho dúvidas de que esta tecnologia estará mais e mais presente no nosso dia a dia. Para traçar um paralelo, deixo aqui uma reflexão: conseguimos imaginar a nossa rotina sem os nossos aparelhos celulares, tabletes e computadores?”, propõe.

Para Alexandre Alves, o futuro da atividade na América Latina está diretamente relacionado à utilização racional dos recursos naturais, à competitividade do setor, à capacidade de ‘produzir mais com menos’, à adoção de novas tecnologias, à sanidade dos planteis e à rastreabilidade. “Diante disso, convido a todos a conhecer as soluções ofertadas pela Allflex no mercado da América Latina para atender a todas essas demandas”, finaliza o presidente da Antelliq para LATAM.


Allflex avança no mercado brasileiro e traz nova plataforma de monitoramento

A Allflex Livestock Intelligence, empresa do grupo Antelliq, traz ao mercado brasileiro uma nova tecnologia e solução de monitoramento, o SenseHub™. A plataforma é a nova geração da solução de monitoramento SenseTime, que fornece informações sobre o status reprodutivo, de saúde, nutricional e de bem-estar das vacas. 

A atualização do sistema e do nome refletem a atual expansão da Allflex em monitorar mais animais em diferentes populações da fazenda e a evolução planejada para se conectar com diversas tecnologias de identificação e gerenciamento, tornando o SenseHub™ o coração do bem-estar animal,de forma abrangente, da coleta à análise de dados de desempenho.

“Esta nova tecnologia traz maior flexibilidade a todas as soluções de monitoramento que oferecemos aos produtores. A capacidade avançada do novo SenseHub™, demonstra nosso esforço contínuo em ajudar os pecuaristas a otimizarem a produtividade e o bem-estar de todos os animais, com foco emobter uma operação mais sustentável e lucrativa”, afirma Dr. Stefan Weiskopf, CEO of Antelliq.

Os atuais usuários do SenseTime poderão atualizar a sua plataforma para o SenseHub a qualquer momento, sem qualquer custo ou perda de dados do sistema existente.

Com o SenseHub™, todas as soluções de monitoramento da Allflex passaram a ser unificadas, dando suporte também aos identificadores eSense e o colar de monitoramento cSense, fornecendo ao produtor informações dos diferentes tipos de animais que possui em sua propriedade.

Monitoramento de bezerros desde o nascimento

Outra novidade da Allflex é a solução Young Stock, um sistema de monitoramento para bezerras, destinado a animais recém-nascidos até seis meses de idade. Único no mercado, a solução estará disponível para toda a América Latina em 2019.

O novo aplicativoé uma solução única para monitorar o gado jovem de forma preventiva. Ele permite que os produtores detectem rapidamente, de forma precoce, o início de problemas de saúde, evitando impactos na curva de crescimento ou queda de desempenho futuro, podendo assim reduzir a mortalidade e o uso desnecessário de medicamentos.

Com o lançamento do Young Stock,a Allflex expande significativamente sua abordagem no mercado de monitoramento de rebanho, passando a abranger todas as diferentes populações de animais, sendo um sistema que poderá ser aplicado em fazendas de qualquer tamanho.A solução estará disponível nas plataformas SenseHub™ e no sistema Heatime® Pro +.

“Com o Young Stock, a Allflex amplia o portfólio e oferece aos produtores a oportunidade de monitorarem todos os tipos de animais, com aplicativos, identificadores ou colares específicos para cada rebanho”, afirma Weiskopf.


Uso de monitoramento em pecuária de corte auxilia em melhores resultados em confinamento

A adoção de novas tecnologias e a mensuração de resultados para a melhor tomada de decisão são essenciais para os confinadores que querem fazer uma pecuária de precisão. Por isso, uma das tecnologias apresentadas na 11ª edição da INTERCONF – Conferência Internacional de Pecuaristas, evento promovido pela Assocon – Associação Nacional da Pecuária Intensiva, em Goiânia (GO), foi a gestão do rebanho por meio de monitoramento.

O tema foi apresentado na palestra “Tecnologia de monitoramento animal na pecuária de corte”, ministrado pelo pesquisador da Embrapa, Luiz Gustavo Ribeiro Pereira, em parceria com a Allflex líder mundial em identificação e monitoramento de animais.

Segundo ele, a adoção de tecnologias de precisão, permite o monitoramento, e rastreamento de toda a cadeia, tornando o produtor mais eficiente na gestão, podendo se antecipar aos problemas de saúde de um animal, por exemplo. “Num grande confinamento, fazer um acompanhamento de cada animal, de forma individual em tempo real já é possível e viável. Sabemos que por meio da ruminação, o animal dá sinais se está com a saúde em dia ou não. E, com o avanço das tecnologias de monitoramento, temos melhorado o bem-estar animal e disponibilizando informações precisas ao produtor, para que ele possa cada vez mais tomar as decisões de forma assertiva”, ressalta.

“Se queremos um animal que rumine 8 horas por dia, de forma precisa, podemos adequar a nutrição para alcançar este resultado e quem vai me mostrar isso é o sistema de monitoramento, por meio de software que vão apresentar dados aos produtores. Quem quer fazer uma pecuária eficiente e precisa, não pode trabalhar com ‘achismos’ e sim com uma base sólida de dados”, enfatizou.

Outro ponto destacado pelo pesquisador é que a adoçãode sistema de monitoramento de rebanho permite a melhoria da eficiência da mão de obra envolvida na produção animal, oferecendo também melhor qualidade de vida aos funcionários. “Assim os benefícios da adoção de tecnologia vão desde a melhoria da qualidade do produto final, pelo aumento da rentabilidade da atividade, pela redução dos impactos ambientais da atividade, melhor gestão dos dados da fazenda, além de otimizar a mão de obra”, aponta.

A INTERCONF é considerada um dos principais encontros do setor pecuário para analisar cenários e apresentar tendências para que os pecuaristas possam fazer seus planejamentos estratégicos e recebeu representantes de diversos elos do setor produtivo para debater os entraves e as perspectivas de mercado.


Barretos (SP) sedia palestra sobre boas práticas de identificação animal

A identificação eletrônica pode ser um grande aliado ao produtor em sistemas de confinamento. No entanto, é importante estar atento às “Boas práticas de identificação animal” e garantir que a aplicação seja realizada de forma segura e tranquila, para que os animais não passem por sofrimento desnecessário, o que pode prejudicar o desempenho, causar danos à carcaça e prejuízos na qualidade da carne. Este assunto será tema de palestra na Escola de Pecuária da ASSOCON, em Barretos (SP), no dia 31 de julho, ministrado pelo gerente de grandes contas da Allflex, Welton Domingues Oliveira.

“Um dos fatores que garante a retenção dos identificadores é o procedimento de aplicação. É fundamental que as pessoas responsáveis por este manejo conheçam bem o seu trabalho e os animais que conduzem, de modo a minimizar o estresse e suas consequências”, aponta Oliveira.

Ao aliar as boas práticas de manejo, o especialista afirma que esse tipo de ferramenta de gestão pode melhorar os índices de produtividade, reduzir o número de contusões nas carcaças e diminuir o estresse do rebanho com manejos desnecessários.

“O sistema de identificação eletrônica oferece ao pecuarista uma gestão mais eficiente do rebanho e otimiza o tempo de trabalho. São sistemas que utilizam sinais de rádio frequência (RFID). Com isso, diminuímos também o contato com os animais, o risco de acidentes e reduzimos também o número de contusões nas carcaças”, explica.

Além de facilitar o manejo, o sistema eletrônico de identificação oferece eficácia nas coletas de dados, de forma simplificada. “As informações são captadas e transmitidas de forma rápida, automatizada, com segurança e não há erros”, salienta.

Os identificadores eletrônicos, também são conhecidos como “chip do boi”, são especialmente indicados aos criatórios comerciais, pois além da facilidade de leitura, feita por RFID, é de fácil recuperação após o abate.

A Allflex oferece uma ampla gama de produtos para identificação visual e eletrônica dos rebanhos que ajudam na gestão da atividade, bem como colares de monitoramento que captam sinais de atividades, como ruminação e ofegação da vaca, enviando-os a um software para tornar o processo reprodutivo mais assertivo. 


Genética e monitoramento do rebanho são aliados para o aumento de produtividade na pecuária leiteira

HRLDn_1A atividade leiteira no Brasil enfrenta grandes desafios em gestão e manejo do rebanho, que acaba refletindo em índices de produtividade precários. Prova disso é que a produção média brasileira é de 4,5 litros por vaca/dia, enquanto os vizinhos Argentina e Uruguai estão na casa dos 12 litros.

Com margens cada vez mais apertadas e cerca de R$ 1,25 pago ao produtor em média no país, de acordo com dados do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), uma das saídas para melhorar a rentabilidade da atividade é aprimorar a gestão da propriedade com investimento em genética e tecnologia.

Por isso, a Allflex, líder mundial em identificação e monitoramento de animais, em parceria com a Semex, empresa de genética bovina, oferece aos pecuaristas de leite brasileiros a tecnologia do programa AI24, um software que monitora em tempo real a saúde e a reprodução das vacas e novilhas.

Como funciona?

O sistema de monitoramento consiste num colar colocado no pescoço do animal que capta os sinais de atividade, ruminação e ofegação da vaca, enviando os dados automaticamente a um software de gestão.

Segundo a gerente técnica e comercial de monitoramento da Allflex, Brenda Barcelos, o sistema possibilita correlacionar o aumento da atividade e diminuição da ruminação com o cio, indicando o melhor horário para inseminação, alertas de possíveis problemas de saúde ou, por meio da ofegação, pode indicar a porcentagem do lote que está em estresse calórico, acompanhando cada animal de forma individual para melhor eficiência da fazenda.

“Por meio do colar, podemos fazer a captação de atividade, com notas de cio e o melhor horário para inseminar o animal, que é uma informação primordial para a reprodução”, explica Brenda. “Além disso, temos a vantagem do sistema alertar sobre desconforto em gestações acima de 260 dias e tempo prolongado sem ruminação”, exemplifica Brenda.

O Gerente de Marketing do Grupo Semex, Eduardo Fey, destaca que entre as principais vantagens dessa tecnologia está a facilidade do uso do programa. “Com um treinamento simples, o produtor consegue se antecipar aos problemas de origem metabólica e de saúde, por exemplo, pois ele é avisado com antecedência se seu animal padece de alguma situação de doença, podendo assim interferir em um tratamento muito antes dos sintomas clínicos realmente aparecerem no animal”, aponta.

O sistema também controla e monitora dados em nível de rebanho. Em seguida processa essas informações, apresentando-as em relatórios e alertas em tempo real, totalmente personalizáveis e fáceis de entender. O software fornece aos administradores de rebanhos e ordenhadores ferramentas projetadas para ajudá-los a gerenciar suas tarefas diárias e melhorar a lucratividade.

Parceria sólida

O diferencial é que os clientes participantes do programa podem utilizar a tecnologia do monitoramento Allflex em seu rebanho por meio de locação oferecido pela Semex. “A Semex proporciona ao produtor, por meio de locação, a oportunidade de testar primeiramente a tecnologia do monitoramento. Após o término do contrato, o produto passa a ser do pecuarista”, salienta a gerente técnica e comercial de monitoramento da Allflex, Brenda Barcelos.

Além disso, a Allflex oferece aos colaboradores da Semex treinamentos periódicos sobre os sistemas de monitoramento. Com isso, além de conhecer de forma detalhada todas as funcionalidades do sistema, levam informações precisas ao produtor.

“A parceria é de extrema importância ao pecuarista, pois são duas empresas que trabalham oferecendo e disponibilizando soluções às propriedades e no final, quem ganha é o produtor de leite brasileiro. O AI24 vem se firmando nos mercados mais desenvolvidos do mundo como uma importante ferramenta para melhorar resultados dos clientes. No Brasil, os depoimentos dos produtores que já adotaram o programa reforçam esta inovadora possibilidade de instalação do AI24 na forma de locação, uma exclusividade da Semex, altamente flexível e sob medida para qualquer porte de propriedade”, salienta Fey.


Identificação animal facilita o manejo diário do rebanho leiteiro

Com um mercado cada vez mais exigente, os elos da cadeia alimentícia passaram a se preocupar em garantir produtos seguros e de qualidade. Por isso, o rastreamento com informações que trazem a origem e o histórico dos animais leiteiros, por exemplo, se tornou foco de atenção para a Associação Brasileira dos Criadores de Girolando, que utiliza sistemas de identificação e monitoramento em parceria com a Allflex, líder mundial em identificação de animais.

Todo animal registrado pela Girolando, inclusive os participantes da Megaleite, evento que será realizada entre os dias 20 e 23 de junho, em Belo Horizonte (MG), possuem um brinco de identificação com o número de registro, que atende as especificações do Serviço de Registro Genealógico, custeado pela Associação.

“Essa iniciativa tem como objetivo conscientizar os produtores e incentivá-los a investir na tecnologia. Procuramos mostrar para os criadores os benefícios de utilizar os brincos como uma forma de identificação dos animais, principalmente pela agilidade e segurança na identificação que a utilização do brinco proporciona. Outra vantagem é a praticidade na aplicação, quando comparado com outros métodos de identificação”, explica o superintendente técnico da Associação Brasileira dos Criadores de Girolando, Leandro Paiva.

No caso do Brasil, medidas de identificação individual (rastreabilidade) vêm sendo implantadas de forma gradativa, sendo atualmente exigida para bovinos destinados à exportação para o mercado Europeu. No entanto, a Girolando se antecipa à obrigatoriedade, pois, segundo o superintendente, a identificação animal é um grande facilitador no manejo diário do rebanho. Além de trazer maior segurança quanto à correta identificação dos animais, Paiva acredita que é uma importante ferramenta utilizada para o monitoramento do rebanho.

“Quando se tem agilidade na identificação dos animais, se ganha tempo na tomada de decisões e isso tem impacto direto no desempenho do rebanho e, consequentemente, auxilia na obtenção de um maior retorno econômico”, aponta.

Um dos fatores que resultou na escolha da Allflex como empresa parceira da Girolando é o fato de ser referência mundial em identificação e monitoramento animal. “Seus produtos possuem o que há de melhor em tecnologia. Utilizamos os produtos Allflex há anos em nosso serviço de registro genealógico”, afirma.

A identificação eletrônica de bovinos faz uso de softwares para o acompanhamento eficiente das características genéticas e para a obtenção de um melhor controle sanitário, reprodutivo e nutricional dos animais. Esse tipo de identificação envolve o uso de brincos eletrônicos que, quando acionados, emitem um sinal eletromagnético com a numeração do animal, que é recebida por um sistema de computação que identifica, sem erros, a presença do animal naquele rebanho.

Segundo o gerente comercial da Allflex, Ivo Martins, diariamente a pecuária é desafiada a adotar mais tecnologias para trabalhar de forma mais eficiente. “Temos a oportunidade de oferecer aos produtores tecnologias de última geração que podem impactar diretamente na forma de fazer a gestão do seu negócio, uma vez que os sistemas de monitoramento podem ajudar o produtor a identificar problemas e tratar animais da forma e no tempo corretos, melhorando índices reprodutivos, de sanidade e, consequentemente, os resultados financeiros da propriedade”, destaca Martins.

A Allflex estará na Megaleite 2018, que será entre os dias 20 a 23 de junho, no Parque da Gameleira, na capital mineira. O evento é sede da 29ª Exposição Nacional da Raça Girolando e o 29º Torneio Leiteiro Nacional de Girolando. Haverá ainda exposições das raças Gir Leiteiro, Holandês, Pardo-Suíço, Jersey e Guzerá. A expectativa é que comitivas de diversos países passem pela feira, que terá em sua programação cursos, leilões, palestras, dentre outros eventos.

Além dos sistemas de identificação, a Allflex destaca na Megaleite os sistemas de monitoramento, que consistem em colares colocados no pescoço do animal e que captam sinais de atividade, ruminação e ofegação da vaca, enviando os dados automaticamente a um software de gestão.

“Por meio do colar, podemos correlacionar o aumento da atividade e queda da ruminação com o cio, apresentando o melhor horário para inseminação, queda da ruminação e atividade para a correlação com possíveis problemas de saúde e a ofegação indicando a porcentagem do lote que está em estresse calórico, acompanhando cada animal de forma individual para melhor eficiência da fazenda, otimizando as atividades dos funcionários”, exemplifica o gerente de monitoramento para Brasil e Latam da Allflex, Luciano Lobo.

O sistema de monitoramento da Allflex também controla e monitora a sala de ordenha, por meio de automação, coletando automaticamente dados abrangentes sobre o status de cada vaca do rebanho. Em seguida processa essas informações, apresentando-as em relatórios e alertas em tempo real, totalmente personalizáveis e fáceis de entender. O software fornece aos administradores de rebanhos e ordenhadores ferramentas projetadas para ajudá-los a administrar suas tarefas diárias e melhora a lucratividade.


Allflex leva os benefícios da identificação animal como ferramenta de gestão para a InterCorte, em Marabá (PA)

A Allflex leva à InterCorte, em Marabá (PA), os benefícios da identificação do rebanho como ferramenta de gestão que, se utilizado de forma individual em cada animal, pode contribuir e ser um aliado dos pecuaristas a melhorar os índices de produção. Para o evento, a líder mundial em identificação de animais destaca a sua linha de identificadores eletrônicos, que utilizam alta tecnologia para proporcionar maior comodidade e melhores resultados aos criadores. O evento será nos dias 22 e 23 de maio, no Carajás Centro de Convenções.

“O pecuarista precisa se conscientizar de que é preciso trabalhar em cima de dados e que a identificação animal é a base para uma gestão eficiente do rebanho. Pois, numa atividade com margens cada vez mais apertadas, somente assim, ele poderá atender as demandas de um mercado cada vez mais exigente por qualidade”, destaca Ivo Martins, gerente comercial da Allflex. 

Para bovinos, a Allflex produz os identificadores eletrônicos, também conhecidos como “chip do boi”. Compostos por duas partes conhecidas como macho e fêmea, eles permitem um encaixe perfeito, perfurando a orelha do animal.  Esse tipo de identificador é especialmente indicado aos criatórios comerciais, pois traz facilidade de leitura, feita por RFID, e de fácil recuperação após o abate.

Martins destaca que entre as vantagens do uso do botton eletrônico como método de identificação está a automatização da coleta de dados. “Não há erro na coleta e na transmissão de dados. Além disso, há maior redução no tempo de trabalho e de acidentes, menor contato do colaborador com o animal, o que diminui o estresse. O sistema também auxilia para a redução das contusões nas carcaças dos animais nas diferentes fases de manejo”, ressalta.

Segundo o gerente comercial, atualmente é cada vez mais comum o uso da tecnologia no campo e são diversos equipamentos e sistemas que ajudam o pecuarista na gestão e desenvolvimento do trabalho no seu dia a dia. “Toda essa tecnologia vem para facilitar os serviços, dar mais agilidade no manejo e maior segurança na gestão das informações”, salienta.

A Allflex oferece uma ampla gama de produtos para identificação visual e eletrônica dos rebanhos que ajudam na gestão da atividade, bem como colares de monitoramento que captam sinais de atividades, como ruminação e ofegação da vaca, enviando-os a um software para tornar o processo reprodutivo mais assertivo. 


Pecuaristas podem aproveitar o período de vacinação para identificar os animais

Termina no dia 31 de maio o prazo para que os produtores do Brasil imunizem seu rebanho contra a Febre Aftosa. Uma das possibilidades que os pecuaristas têm de otimizar o trabalho e tempo da equipe é aproveitar a oportunidade para fazer a identificação dos animais e o controle do número de cabeças do rebanho, fazendo um inventário.

A dica é do zootecnista Ivo Martins, que também é gerente comercial da Allflex, líder mundial em identificação de animais. “Por ser considerado um manejo aversivo por muitos produtores e que exige planejamento prévio, levar os animais até o curral uma única vez pode ser muito mais proveitoso quando se pode imunizar e já fazer a identificação do rebanho”, explica Martins.

Segundo ele, investir em monitoramento individual dos animais pode melhorar a eficiência da atividade pecuária, pois permite ao produtor fazer um controle maior e ter a rastreabilidade do rebanho, com informações completas que ajudam na tomada de decisões mais assertivas para o negócio. “Com isso, é possível fazer o inventário e um completo controle zootécnico de cada animal, podendo ser acompanhado por meio de softwares que podem ser instalados no computador ou até mesmo no celular”, afirma.

Entre os benefícios da identificação do rebanho como ferramenta de gestão, o zootecnista elenca a automatização da coleta de dados. “Com o uso do botton eletrônico não há erro na coleta e na transmissão de dados. Além disso, há maior redução no tempo de trabalho e de acidentes, menor contato do colaborador com o animal, o que diminui o estresse. O sistema também auxilia a redução das contusões nas carcaças dos animais nas diferentes fases de manejo, pois não é necessário deslocar o rebanho várias vezes ao curral”, ressalta.

Para bovinos, a Allflex produz os identificadores eletrônicos conhecidos como “chip do boi”. Esse tipo de identificador é especialmente indicado aos criatórios comerciais, pois traz facilidade de leitura, feita por RFID, e de fácil recuperação após o abate.

“Toda essa tecnologia vem para facilitar os serviços, dar mais agilidade no manejo e maior segurança na gestão das informações”, salienta.

A Allflex oferece uma ampla gama de produtos para identificação visual e eletrônica dos rebanhos que ajudam na gestão da atividade, bem como colares de monitoramento que captam sinais de atividades, como ruminação e ofegação da vaca, enviando-os a um software para tornar o processo reprodutivo mais assertivo.  


Identificação eletrônica do rebanho é um aliado em sistemas de confinamento

A identificação eletrônica pode ser um grande aliado ao produtor em sistemas de confinamento. Isso porque esse tipo de ferramenta de gestão pode melhorar os índices de produtividade, reduzir o número de contusões nas carcaças e diminuir o estresse do rebanho com manejos desnecessários.
Segundo o coordenador técnico comercial da Allflex, Henrique Soares, o sistema de identificação eletrônica oferece ao pecuarista uma gestão mais eficiente do seu rebanho e otimiza o tempo de trabalho. “São sistemas que utilizam sinais de rádio frequência (RFID). Com isso, diminuímos também o contato com os animais, o risco de acidentes e reduzindo também o número de contusões nas carcaças”, explica Soares.
Além de facilitar o manejo, o sistema eletrônico de identificação oferece eficácia nas coletas de dados, de forma simplificada. “As informações são captadas e transmitidas de forma rápida, automatizada, com segurança e não há erros”, salienta.
Os identificadores eletrônicos, também são conhecidos como “chip do boi”, são especialmente indicados aos criatórios comerciais, pois além da facilidade de leitura, feita por RFID, é de fácil recuperação após o abate.
A Allflex oferece uma ampla gama de produtos para identificação visual e eletrônica dos rebanhos que ajudam na gestão da atividade, bem como colares de monitoramento que captam sinais de atividades, como ruminação e ofegação da vaca, enviando-os a um software para tornar o processo reprodutivo mais assertivo.